Pós-Cirurgia de Tireóide (4)

Crônicas do Cotidiano > Pós-Cirurgia de Tireóide (4)

Quinta-feira, dia 28 de maio. Dia após o Retorno ao Médico

Ontem atravessei a rua e me consultei novamente com o médico que me operou. Coloquei um xale bem bonito (pashmina), presente da minha nora quando nos visitou de Bangladesh, para “enfeitar” meu pescoço. Por sinal, pode-se reconhecer que se está perto de um consultório de um cirurgião de tireóide se perceber um desfile de senhoras com xales, lenços ou echarpes “adornando” (escondendo ou protegendo) esta parte do corpo.

scarf1

Depois da minha consulta, pediram para eu esperar para assinar alguns documentos que ainda estavam sendo providenciados. Enquanto aguardava, várias pessoas entravam e saíam. Observei enquanto uma, bem arrumada, mais ou menos da minha idade, parou diante da recepcionista com uma amiga e disse que precisava dos documentos para o tratamento com iodo. Fiquei pensando se ela acabara de ouvir a notícia de que era câncer ou se já estava em meio ao processo de lidar com o fato. Mas sua voz não era rouca e, da minha perspectiva de lado, seu rosto e gestos pareciam serenos. Assim, a Betty Sherlock deduziu, já que ela usava uma echarpe, que fizera a cirurgia, mas há algum tempo, e que já passara pelo primeiro choque.

Uma moça jovem, de uns 25 anos, de aparência simples, sentou no banco diagonal ao meu e começou a preencher um formulário. Eu conversei um pouco com a secretária e olhava o livro que levara. Entraram duas senhoras, com aparência européia. Uma, com esparadrapo no pescoço, sentou-se ao lado da moça, enquanto a outra falava com a atendente.

De repente, a moça veio para meu lado. Pensei que era para deixar lugar para a companheira da sua vizinha, aumentei o espaço e sorri para ela, pegando no livro novamente. Mas ela tocou no meu braço e sussurrou—a senhora já fez a cirurgia? Quando respondi que sim, perguntou—Como foi? Quando foi? Aí expliquei que fazia uma semana e que havia sido muito bom. Afastei o echarpe, mostrei o local da cirurgia e falei que havia doído muito pouco, que o problema maior era a rouquidão, mas que me asseguraram que isto iria passar. Que o pescoço havia doído, provavelmente da posição da cirurgia, mas que estava melhorando. Era como se alguém tivesse derramado bálsamo na sua alma, de tão aliviado que ficou seu rosto. Antes de podermos falar mais, mandaram-na entrar no consultório.

Quando falei sobre isto para meu marido, ele me lembrou que eu havia feito algo parecido quando fomos juntos para o médico, pedindo detalhes da experiência de uma senhora que lá esperava, com bons resultados. Realmente, faz um bem incrível enfrentar uma batalha, sabendo a natureza e o tamanho das dificuldades que podem nos esperar, mas também ciente de pessoas que já lutaram e venceram. Isto tanto na vida física quanto na vida espiritual. É interessante, como essas vitórias e experiências podem ser passadas de pessoa a pessoa, como uma corrida de revezamento…

As outras duas senhoras, antes de cara fechada, haviam ouvido minhas respostas (já que nem sussurrar eu consigo mais!), e começaram a me fazer perguntas também—se eu havia sentido muito calor, por exemplo. Realmente, não. Mas uma outra, que acabara de sair com seu marido, afirmou que ela tinha sentido também. Comparamos as datas da cirurgia. A da “européia” era mais recente. A da outra tinha sido no mesmo hospital no mesmo dia, algumas horas antes de mim. Disse que estava muito bem. Ambas sentiram dores no pescoço. Aí, uma outra secretária apareceu com os documentos, assinei tudo e me despedi, aproveitando para ir na farmácia ao lado antes de atravessar a rua.

Quando cheguei, minha sogra já estava preocupada. Havia ficado a maior parte do tempo na janela, vigiando para ter certeza que não iria desmaiar na rua. Ainda assim, não percebeu nem quando saí, nem quando vim para o lado de cá. Por um lado, fiquei achando que aquilo era totalmente desnecessário, que ela estava se afligindo à toa. Por outro, tenho que reconhecer que é muito bom ter uma “mãe” querendo meu bem, dia e noite, e zelando por mim….

Daqui a pouco, contarei o que o médico fez e disse. Mas, primeiro, vou terminar o relato dos dias anteriores.

Dor. Quando fiz a cirurgia, parecia óbvio para mim que grande parte do meu sofrimento seria na área da garganta da qual teria sido retirado a tireóide. Mas não foi assim. Não sei se enfiaram um monte de anestésico ali, mas, nos primeiros dias, a garganta quase que não doeu por dentro. Em vez disto, a dor principal se localizava no topo das minhas costas, irradiando da coluna para o ombro, quando engolia e quando mexia a cabeça. A nossa teoria é que forçaram a cabeça para trás ou para o lado para tirar meu queixo da frente do pescoço e assim trabalhar. Criaram uma espécie de torcicolo que ainda não passou por inteiro.

Queimação. Havia também muita queimação no meu peito, especialmente na segunda e terceira noite, quando eu procurava deitar de lado. A princípio, achei que vinha de dentro para fora—por causa do dreno que havia sido inserido e depois “arrancado”—mas quando ia mudando o micropore e colocando pomada antibiótica na ferida (duas vezes por dia, como o médico mandou), comecei a observar que a pele estava ficando mais e mais irritada e que a dor vinha quando ela era repuxada pelo adesivo, em função de um movimento ou peso.

Rouquidão. Eu sabia que poderia ficar rouca por causa da cirurgia, já que o crescimento era “mergulhante” junto às minhas cordas vocais. E realmente fiquei, até hoje. Mas eu não esperava as conseqüências da entubação. Uma semana depois, ainda sobe sangrento pigarro, catarro, escarro… (Você já observou alguma vez que todas estas palavras terminam com o som que se ouve quando tossimos e eliminamos a secreção? Tem momentos em que o português é uma língua tão expressiva, com suas palavras onomatopéicas—ou será que estas não podem ser classificadas assim porque apenas o fim emite o som ao qual me refiro?) De qualquer jeito, a secreção está diminuindo aos poucos e tenho chupado minhas pastilhas fielmente. Mas creio que isto também pode estar prejudicando a minha voz.

Cálcio. Outro efeito colateral que não esperava foi o desequilíbrio na distribuição do cálcio no sangue causado pelo mau funcionamento das glândulas paratireóides.  O formigamento da quarta-feira, que já citei, voltou na quinta à tarde, aumentando à noite, logo quando meu marido teve que viajar para Brasília. Foi quando assisti o filme Nannie McPhee, numa tentativa de tirar o foco daquilo que sentia—já que o médico havia falado que a preocupação pioraria a minha situação. Deus me deu paz e eu, finalmente, consegui dormir. Sem acordar com as temidas cãibras. (Eu não estava sozinha dentro de casa; meus sogros estavam aí e nosso futuro genro também—oferecida por nossa filha já que ele mora bem mais perto do que ela).

Carta para o médico. De manhã, resolvi escrever uma carta para o médico. Meu plano era de pedir o e-mail do consultório, através da secretária. Achei que ela poderia passar-lhe minhas observações e perguntas para ele depois me ligar. Assim não precisaria forçar a minha voz e facilitaria a comunicação. Fiz a carta e telefonei, mas, desta vez, ela entrou no time da secretária que me afastou do outro médico, e disse que ele não tinha tempo para ler e-mails, pois estava em consulta. Que ela poderia anotar meu número e ele ligaria de volta. Tentei, com minha voz de robô sem entonação ou modulação, convencê-la que a comunicação seria melhor se ele lesse a carta, mas não houve jeito. Deixei, então, meu número e ele, educadamente, me telefonou de volta do consultório.  (De fato, ele havia me dado o número do celular dele—eu poderia ter ligado até diretamente, se quisesse—mas odeio incomodar médicos. Tenho amigos médicos e amigas que são esposas de médicos e sei como estas interrupções podem atrapalhar a vida profissional e familiar).

Quando o doutor retornou a ligação, falei apenas das três preocupações principais—o formigamento, a pele irritada e a dor na nuca/costas. Ele aumentou a dose de comprimidos (realmente são cápsulas) para cálcio, de 6 mais 3 para 9 mais 6 (ou 3 mais 2 em cada refeição). Em outras palavras, pulei de 9 para 15 cápsulas por dia, apenas de cálcio. Insistiu para eu não ficar preocupada com isto. E mandou fazer exercícios de relaxamento para o pescoço/nuca. Perguntei se poderia colocar compressa quente ali e ele disse que sim.

Com respeito à pele irritada ao redor do furo (a área do corte estava debaixo de um esparadrapo colocado na cirurgia e não estava irritada), ele sugeriu substituir a gaze e micropore por um band-aid.

No consultório médico, aprendi as seguintes coisas:
A biopsia (anatomo patológico) deu “negativo para malignidade”. Isso corroborou o que o cirurgião já havia previsto mas foi bom ouvir/ver a confirmação. Sou muito grata a Deus!

Não havia pontos para tirar da minha garganta. O doutor simplesmente tirou o curativo, passou algo que ardeu e colocou outro. Devo deixá-lo durante duas semanas ou até cair. Posso tomar banho normalmente, evitando esfregar no local. Depois existe um creme para passar (Drenison) para ajudar a cicatriz a desaparecer. Ele também colocou um pedaço da mesma fita em cima do furo do dreno.

São seis meses sem sol em cima da cicatriz. Três com proteção de pano e três com protetor solar bem forte. Senão ela vai escurecer. Vou obedecer ao doutor.

Perguntei porque a área da cirurgia estava mais inchada agora. Ele disse que é porque ainda existem coágulos de sangue ali que não drenaram e que estão sendo absorvidas pelo corpo. Realmente, está ficando mais e mais amarelada também. Agora que estou sem tomar analgésicos, a dor na garganta é bem maior—ao toque e quando mexo/giro minha cabeça. Se ficar muito grande, poderei tomar um Tylenol/Paracetemol. Por enquanto, estou torcendo para que o processo de absorção termine logo. Mas, enquanto permanecer sem febre, creio que estará tudo dentro do normal.

Redução das medicações. Não preciso mais tomar antibiótico, nem o omeprazol, o tylenol… Devo tomar cálcio por mais uma semana apenas, duas cápsulas (oscal e rocaltrol) duas vezes ao dia. (Perguntei sobre as glândulas paratireóides, responsáveis pelo cálcio do corpo. Ele disse que nunca são retiradas, apenas sofrem por um tempo porque são separadas da tireóide; e não parece duvidar nadinha que funcionarão normalmente de novo).

Synthroid. É o nome do remédio que preciso tomar durante o resto da minha vida. Fui informada que é melhor tomá-lo pelo menos 15 minutos antes do café da manhã. Até agora estava tomando imediatamente antes. Assim, fui à procura de uma caixinha para remédios que havia comprado por centavos num yard sale (venda de quintal) nos Estados Unidos e para o qual nunca havia encontrado uso. Coloquei um comprimido (ainda no invólucro) em cada dia da semana e pus ao lado da cama. Ficará como parte do ritual de me levantar todo dia, juntamente com a colocação das meias de suporte.

pillbox

Minha voz. O doutor crê que ela irá voltar ao normal. Me fez tossir leve e repetidamente para soltar o catarro e demonstrou que a voz melhorava. Isto me faz lembrar de um momento no hospital sobre o qual esqueci-me de falar. Era cedo na primeira manhã quando entrou uma moça de feições orientais bem simpática que disse que era fisioterapeuta e que iria fazer alguns exercícios respiratórios comigo. Assim me fez inspirar e expirar pelo nariz, depois inspirar pelo nariz e expirar pela boca. Repetidas vezes. A um certo ponto, ela me pediu para colocar a mão no diafragma e empurrar levemente. Me fez inspirar três vezes pelo nariz e depois tossir levemente. Gente, subiu tanta coisa! Sem forçar nada. E sem dor nenhuma. Me senti tão aliviada! Estava com tanto cuidado para não tossir e romper algo indevidamente. Eis uma fisioterapeuta que vale seu peso em ouro—deve ser muito bom ser instrumento desse milagre todo dia naquela ala hospitalar.

Exames para fazer no início de julho: T4 livre, TSH e Cálcio ionizado.

Encaminhamento para a Endocrinologista. O doutor me deu uma carta para a especialista que havia consultado antes de vir até ele. Já marquei a consulta para quarta-feira que vem (03 de junho). Encaixa com o dia em que devo parar de tomar o cálcio.

Dirigir e trabalhar. Tenho que esperar mais uma semana para dirigir. Posso sair e começar a assumir minha vida normal, usando o bom senso. Sem, entretanto, carregar/levantar peso—por pelo menos um mês. Deixe eu ver—a cirurgia foi no dia 19  de maio. Deus permitindo, meu neto chega no dia 17 de junho. Se um mês for de 28 dias, já poderei pegar nele…. ☺

Mais algumas observações.
O lábio já está completamente sarado. Incrível o poder restaurador que Deus instalou em nosso corpo! Ao mesmo tempo em que meu cérebro automaticamente engatilhou certos processos químicos para consertar meu beiço, ele também iniciou outros para cuidar dos ferimentos na garganta e nos órgãos afetadas! Uma rápida olhada neste link sobre cicatrização dá uma idéia da maravilhosa complexidade destes processos que ocorrem em nosso corpo, em menor ou maior grau, diariamente.

Substituição da tireóide por medicação (reposição hormonal). Parece que me adaptei bem a este novo elemento na minha vida.

A voz. Continuo bastante rouca mas sei de pessoas que começaram o processo de recuperação sem voz nenhuma, portanto tenho bastante esperança de poder falar normalmente de novo. Me incomoda não poder transmitir pensamentos de maneira suave através da modulação da minha voz. Ela me parece agressiva e, ao mesmo tempo, se isto for possível,  inexpressiva.

O hospital. Uma moça simpática da SAC do hospital Nove de Julho, com nome de Bruna, ligou para mim para saber se havia ficado satisfeita com os serviços do hospital. Disse-lhe que sim e que havíamos apreciado especialmente o contato com a sala cirúrgica e elogiei outras coisas também. Apenas não me lembrei na hora daquela fisioterapeuta…

Está na hora de parar—se você conseguiu ler até aqui, está de parabéns. Que possa poder colocar as informações no “arquivo morto” dos seus registros mentais por longo tempo ou, melhor ainda, nunca precisar voltar a elas… Mas, se um dia passar por algo parecido, espero que possa estar ciente de que está vivendo na presença do Deus todo-poderoso, por ser filho ou filha dele. Assim, ele estará próximo, dando forças e sentido a cada coisa que acontecer, até o dia do encontro celestial e o início de uma vida eterna onde os echarpes servirão apenas para enfeitar e não para esconder ou proteger.

Abs, Betty

(Continua aqui)

503 Comentários a “Pós-Cirurgia de Tireóide (4)”

  1. betty disse:

    Olá, Eva. Enviei seu recado para o e-mail da Sandra. Fico contente que você confia em Deus. Isto ajuda demais! Que Ele lhe conceda paz e restaure a sua saúde. Abs, Betty

  2. alesandra cerqueira disse:

    OI Eva bom dia, hj faz um mês que fiz a cirurgia, estou muito bem, as vezes sinto tontura, mas já fiz todos os exames prescrito pelo medico, e tive que aumentar o nível da dosagem do meu medicamento hormonal, de 100 foi pra 125mg, estou aguardando o resultado da biopsia, e ainda não sei se vou fazer o iodoterapia, mas já estou mim preparando pra isso, rsrs, gostaria de saber o que vc esta sentindo neste momento, e esta medicação hormonal vc esta sentindo alguma mudança no seu corpo ???

  3. betty disse:

    Olá, Alesandra. Fui procurar nos outros comentários se havia alguma Eva lá, mas não encontrei. Portanto, desconfio que você esteja falando comigo mesmo… :-) Passaram-se cinco anos desde que fiz a cirurgia. Não tive câncer e estou tomando Synthroid 100 desde o começo. Tudo estabilizou e não houve mudanças significativas, exceto aquelas que vem junto com a idade que está sempre ficando mais avançada. Os meus últimos posts sobre este assunto lidam mais com a iodoterapia, como também o comentário da Edimara que entrou poucos dias depois do seu. Espero que não sejam necessários para você, mas, se precisar, lembre-se de que esta é uma das terapias menos invasivas e mais curtas para o câncer. Que Deus a abençoe. Abs, Betty

Deixe o seu comentário

Crônicas do Cotidiano > Pós-Cirurgia de Tireóide (4)