Pós-Cirurgia de Tireóide (8)

Crônicas do Cotidiano > Pós-Cirurgia de Tireóide (8)

Comentando os Comentários

Overwhelmed

Continuo recebendo comentários aos meus posts sobre a vida durante e depois da cirurgia na qual removeram a minha tireóide, em maio de 2009, especialmente os do número quatro, onde já tem 54 comentários de 40 pessoas. Consegui responder a alguns de imediato, mas não pude, e não posso, responder a todos, individualmente, mas vou tentar mencionar uma boa parte aqui.

Existem pessoas como a Rosangela, que se recuperaram logo e/ou tiveram poucas seqüelas e nódulos benignos. Renata Lucena, depois de seis dias de operada, relata uma recuperação, que é o sonho de qualquer paciente. Ficamos contentes por ela. Outras, como Mara Élida, contam que ainda irão fazer a cirurgia e agradecem as “palavras incentivadoras”. Mas isto foi em junho – já deve ter sido operada.

Por outro lado, Marcilene tirou a tireóide há 15 anos, ainda sente dores, e quer saber por que. Sugiro que ela procure um endocrinologista (ou um clínico geral) para compartilhar seus sintomas. Enquanto isso, Rosane Costa escreve três dias depois de ter retirado um nódulo de 5 cm, numa cirurgia parcial. Está bem, mas preocupa-se com a volta da voz pois é cantora evangélica. Creio que, com o aumento nos casos de tireoidismo, este será um problema crescente para aqueles cuja voz é instrumento de trabalho, de prazer e de ministério. Entretanto, sendo evangélica, ela pode ter certeza que tudo contribui para o bem e que, se ela procurar se curvar à vontade dele, Deus lhe dará paz.

Ri um pouquinho com a introdução da Inokitas. Ela nos aconselha a não “correr logo feito loucos para pesquisar (na Internet) pois só colocamos macaquinhos no sótão”. Entretanto, ela deve ter feito uma pesquisa bem trabalhada para encontrar meu post número quatro e comentar nele.

Ao ler os comentários dela, pensei logo—esta senhora mora no Portugal ou em alguma ex-colônia portuguesa. Ela tem uma maneira tão bonitinha de se expressar…. Fui verificar e, realmente, o IP dela é de Portugal (portanto, Mônica, creio que o telefone do fonoaudiólogo dela não vai lhe servir em São Paulo!) A Inokitas fez a cirurgia há um ano e pouco e também sofreu bastante com a voz. O nódulo dela era enorme (mais de 10 cm) e para dentro. Portanto as suas cordas vocais foram esticadas e ela teve grandes problemas de falar no início. Teve que recorrer a uma terapeuta e diz que esta “ajudou-me rapidamente a ter uma vida normal. Dei por mim a apertar a barriga, a habituar-me a respirar com o diafragma… Por incrível que pareça a maior parte de nós não sabe respirar como deve ser, visto não exercitarmos o dito diafragma—o que nos obriga a encher a barriga de ar e não os pulmões… Também fazia vários barulhos sonoros para a voz voltar… Hoje, passado 1 ano e 3 meses, estou bem, falo que nunca mais me calo; noto que já não consigo cantar facilmente em agudos.”

Ela teve muitas dificuldades em engolir e beber água, mas estas também passaram. Foram “momentos de frustração e choro total”, mas “agora bebo como antes, muito mesmo…  Agora sempre que ‘tou cheia de sede e pego numa garrafa e bebo-a de seguida, me lembro dos 2 meses que tive esta dificuldade…

Creio que aquilo que escreveu nos ajuda a ver que, ainda que nem tudo sai como gostaríamos no início; com o passar do tempo e com certas iniciativas, muito pode melhorar. Suas palavras me incentivam a antecipar a procura por um fonoaudiólogo para fazer terapia de fala. Será que algum leitor ou leitora pode me indicar alguém qualificado na área de Higienópolis em São Paulo? Que, preferivelmente, atenda pelo convênio da AMIL…

A Ruth (que se operou no início de agosto deste ano) escreveu um mês depois com suas preocupações a respeito da cicatrização e o incômodo ao engolir. Também não sabe se tirou todo o tireóide. Iria voltar ao trabalho no dia 08 de setembro. Penso que ela deve pedir detalhes da cirurgia ao seu médico e procurar um laudo por escrito do diagnóstico original e daquilo que foi feito. No meu caso, o cirurgião escreveu um relato para me encaminhar à endocrinologista. Se os termos usados lhe forem desconhecidos, peça uma explicação, educadamente.

Sempre é uma boa idéia levar um caderno para o consultório médico. Antes, anote todos os sintomas que está sentindo e todas as perguntas que tem, pois, normalmente, alguns detalhes nos escapam na hora, quando estamos nervosas ou, especialmente, se o médico parecer estar com pressa. E vá anotando os pontos principais enquanto o doutor ou a doutora explica, para poder compartilhar o que foi dito com as pessoas que lhe são próximas, usando a terminologia exata. Se não entender o termo, peça com jeito para ele/ela soletrar ou anotar por você. (Hoje em dia, os mais avançados entre nós já se aproveitam do recurso de registrar no telefone celular ou outra engenhoca digital).

Andréa compartilha um problema que eu ainda não conhecia—o quelóide. Procurei o termo na Internet e vi que é uma dificuldade na cicatrização. É “uma cicatriz que não sabe quando parar de crescer”. Ele se caracteriza por uma cicatriz endurecida, que se eleva acima do nível normal da pele. Espero, entretanto, que seja apenas um susto, pois não fazia muito tempo desde que ela havia feito a cirurgia (18-08). Quando escreveu, ela ainda não havia recebido o resultado da biopsia.

A Márcia confessa que enrolou cinco anos para fazer a cirurgia e que tremia muito na hora de tomar a anestesia. Entretanto, agradece pelas coisas escritas no blog (que ela descobriu um pouco antes de sair de casa no dia em que se internou) e compartilha que “a cirurgia foi tranquilíssima”. Esperamos que a recuperação tenha sido boa, como também a de Ricardo, que tem a idade do meu filho mais velho, e é pai de uma filhinha, e que iria tirar o tireóide com um nódulo com “células perigosas”.

Uma outra Márcia compartilha que teve que fazer duas cirurgias em seguida porque descobriram que estava com câncer apesar de todos os indícios iniciais ao contrário. Primeiro ela tirou o lóbulo esquerdo e, depois, o tireóide inteiro. Ainda estava em recuperação quando escreveu e lutando com uma repentina rouquidão. Iria fazer uma laringoscopia por conta disto. Ainda não sabemos do resultado, nem dos passos seguintes receitados pelo médico.

A Catia tinha um monte de perguntas no dia 18 de agosto, que, espero, já foram respondidas pelo médico dela. Pela minha própria experiência, a cirurgia durou poucas horas, a internação foi de um dia e uma noite e repousei por mais ou menos uma semana (sem ficar na cama, apenas evitando carregar peso ou movimentar-me muito).  Demorei um pouco mais para poder dirigir. Talvez ela queira nos contar sobre os passos que já seguiu. A Carla, cujo marido iria fazer a cirurgia, queria saber se a minha anestesia foi geral. Foi.

A Camila fez a cirurgia há dois anos e ainda sofre de várias maneiras (cãibras, formigamento, alta dose de hormônio, voz). Pelo que fala, penso que devem ter mexido com as paratireóides dela. Mas ela diz que dá “graças a Deus por ter passado por tudo isso; aprendi muita coisa, a dar mais valor na minha vida, por exemplo”.

Vera Medeiros fez tireoidectomia total no início de julho. Estava em casa, ainda com dreno, e sem medicação alguma (cálcio, hormônio…). Só Tylenol para dor, que felizmente não tinha. Sua voz “por enquanto” estava normal. Perguntou em quanto tempo iria começar a tomar Synthroid? Retornaria ao médico no dia 13/07 para remoção do curativo e “orientações”. Queria saber se estava tudo dentro da normalidade.

Respondi mais ou menos assim: Olá, Vera:
Que bom que sua voz está normal! Estou quase com inveja! A minha continua rouca.

Temo em lhe dar algumas orientações que entrem no campo do médico, pois sou apenas paciente também. Na minha avaliação, entretanto, a sua cirurgia talvez possa ter sido parcial. Isto explicaria a falta de necessidade de hormônio. E, talvez, não precisaram mexer muito com as glândulas paratireóides e, portanto, não esperam que sinta falta de cálcio. Se você estiver sentindo-se bem, dê graças a Deus e não se perturbe. Entretanto, se você estiver muito preocupada, ligue para o consultório do médico e pergunte sobre seus temores. Faça antes uma pesquisa na Internet, jogando as palavras “tireóide” e “cirurgia”. Encontrará sites como este da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Depois me conte o que descobriu.

Alessandra estava com problemas na tireóide em 2006, engravidou e parou com os exames. Apenas recentemente voltou a fazê-los e confessa que está com medo de fazer a cirurgia. Não sabemos os resultados e se já marcou a data. E nem temos mais informações sobre a Josy que ainda estava na fase inicial dos seus exames.

Denise estava sofrendo muito. Ela já penava com os efeitos de um desequilíbrio hormonal antes, e parece que a cirurgia, em 15-05-09, não resolveu tudo do jeito que sonhava, apesar do tumor ser benigno. Ela se manifesta desejosa de receber o input dos leitores. Creio, entretanto, que não temos médicos/especialistas entre estes e sugiro, se não melhorou, que procure logo outras opiniões de especialistas na cidade dela, talvez recomendadas por pessoas conhecidas.

Marlene mora numa ilha dos Açores, no meio do Oceano Atlântico, e iria para Portugal retirar um único nódulo em Lisboa no mês de setembro. Espero que ela tenha alguns parentes ou amigos para fazer-lhe, ou que conseguiram fazer, companhia durante este período e que os funcionários do hospital conseguiram passar tranqüilidade e confiança para ela para logo-logo poder voltar à companhia da sua filha de 10 anos. Gostei que a leitora Joseanny parou para dizer-lhe umas palavras encorajadoras.

Num comentário anterior, a Joseanny compartilhou que sofria muito com os problemas de tireóide, com seu humor e com sua aparência e que, 40 dias depois de uma tireoidectomia total, “hoje só vejo flores em minha vida… Estou feliz…muito feliz…graças a Deus! E até agora ainda não consigo relatar minha história se não for com lágrimas rolando, como agora por exemplo. Pode até parecer exagero, mas quem enfrentou um problema como tal, sabe com precisão o que estou tentando passar aqui.” Isto apesar de continuar rouca. Ela também tem uma caixinha como a minha “para guardar os remédios pertinho do travesseiro”.

Ana Kelly Natali, de 35 anos, fez tireodectomia total em 22 de julho, quando se assustou com a descoberta de vários nódulos com células malignas de dois tipos. Esta mãe e esposa jovem ainda estava se recuperando das seqüelas da cirurgia e já se preparava para fazer a iodoterapia quando escreveu. Entendo que este é um processo bastante difícil, mas muito mais rápido e com chances de vitória bem maiores do que muitos outros tratamentos para câncer.  Oremos, portanto, por ela e por sua família nestes dias.

A Marge enfrentou um carcinoma e tem apenas uma corda vocal funcionando, mas superou tudo e diz que teve medo dos tratamentos mas “tudo foi bem tranqüilo (até demais!!)” Seu relato é encorajador e ela ainda sugere para Patrícia que use a pomada Contractubex para a cicatriz (no caso dela, “ficou bem clarinha e quase imperceptível.”)

A Adriana diz que está com a “tireóide dolorida” e pergunta como começou o meu problema.  Respondi que não senti dor no local. Foram os exames de TSH, T3 e T4 que acusaram o problema (referi-me a última parte do meu post, Alegrias e Tristezas). A melhor coisa seria procurar um médico se a dor persistir. Perdurando por apenas um pouco de tempo, eu não me preocuparia. Ela poderia, também, pedir para seu médico solicitar estes exames da próxima vez que fizesse alguma consulta.

Joseane também fez uma tireoidectomia total e escreve depois de uma semana (no dia 30 de julho), comparando aquilo que sentiu e sente com o que eu descrevi. Foi poupada de vários problemas, mas enfrentava rouquidão e queria saber se a minha voz voltou ao normal (como já disse, meu marido diz que, apesar do ceticismo dele, ela está quase normal). As punções pré-operatórias tiveram resultados benignos, entretanto ela ainda esperava o diagnóstico dos exames pós-operatórios em vários nódulos. Torço para que tenham sido negativos também.

No comentário dela, a Hozana pretendia fazer a mesma cirurgia no dia 14 de setembro, e compartilhou as suas incertezas e temores, especialmente porque já havia sido diagnosticado o câncer e, portanto, ela não podia esperar até janeiro quando o convênio médico dela lhe daria cobertura. Queria saber se algum(a) leitor(a) já se operou no hospital de Heliópolis. Minha resposta, compartilhando algumas coisas sobre o hospital e o tipo de câncer (papilífero) dela está aqui. Depois, ela escreveu novamente, agradecendo e compartilhando que a cirurgia foi adiada para o dia 24 de setembro e pedindo nossas orações.

Interagi também com a Maria Souza que iria fazer a cirurgia no dia 14 de setembro e  pediu orientações dos leitores sobre se deveria retirar toda a tireóide, tendo um “nódulo com células de Hurthle”. Eu ainda não conhecia estas células mas pesquisei e fiz algumas considerações aqui, falando também do seu médico, cujo nome aparecia pela segunda vez nos comentários (e já foi citado novamente depois).

A Ingrid pretendia tirar a tireóide no dia 6 de outubro por causa do diagnostico de carcinoma papilífero após uma punção. Ela se sentia “muita sozinha, e com medo de estar ficando paranóica”.

Respondi da seguinte maneira: Quando descobriram os meus nódulos, fui investigar sobre problemas com a tireóide e descobri que são muito mais comuns do que pensamos. E que muitas das minhas amigas e parentes estão em tratamento ou fizeram a cirurgia e eu nem sabia, porque estão convivendo bem. Minha cunhada me contou que toma um remédio bem parecido com o meu desde a sua adolescência (e ela agora tem 55 anos) e, na semana passada, uma amiga de muitos anos (que mora distante) também compartilhou que está tratando um desequilíbrio hormonal causado por disfunção na tireóide, com sucesso, há uns dez anos.

Entretanto, sei que o susto pode ser grande. A melhor coisa para fazer é aproveitar a ocasião para repensar a sua vida, as suas atitudes, prioridades, relacionamentos. Confie no médico e converse com outras pessoas. Você poderá ficar impressionada quando descobrir quantas lidaram ou que estão lidando com doenças tireoidianas. Assim você não se sentirá tão sozinha. Ainda que o nódulo seja canceroso, saiba que muitos cânceres de tireóide (a maioria) respondem bem aos tratamentos e tenho a impressão que o papilífero é a “melhor” de todos (o menos maléfico).

Seguem alguns sites que podem lhe dar mais informações sobre a tireóide, sua função e doenças. Vale a pena se informar, pois assim você desfará alguns mitos ou conceitos errôneos e pode se preparar melhorar. Creio que sentirá menos medo também.

http://www.indatir.org.br/a_tiroide.htm
http://saude.abril.com.br/especiais/tireoide/tireoide.shtml

Espero que isto ajude. Fique calma. Faça a cirurgia e nos conte depois como foi.

O Mário está preocupado com o fato da esposa começar a sentir “forte comichão” nas pernas, braços e cabeça depois de dois anos. É possível que o “especialista” tenha razão sobre a causa não ser o hormônio sintético. Entretanto, deve existir uma causa e sugiro que eles procurem um clínico geral para orientá-los sobre que tipo de especialista consultar. Se fosse logo depois da cirurgia, eu pensaria nas paratireóides. Agora não sei. Mas vale a pena pesquisar. De repente, a solução é algo bem simples e ela será grandemente aliviada…

A Mônica deve já ter feito a remoção total. A punção já mostrou câncer mas ela está encorajada com as chances de cura deste tipo e escreve palavras encorajadoras enquanto expressa seus temores. É bonito ver alguém declarar que ama seu marido depois de várias décadas de companheirismo. Estamos torcendo por você, Mônica, e esperando a continuação do seu relato. A Maria Salomé também está com medo mas agradece as informações.

Creio que a Noemir ainda não leu meus outros posts porque pergunta algumas coisas que já respondi. Está feliz porque a suspeita de câncer (via punção) não se concretizou. Sim, Noemir, a rouquidão é um problema para alguns de nós, mas eu esperaria mais algum tempo antes de me preocupar. Depois de quatro meses, eu ainda noto melhoras significativas, lentas, mas certas. A respeito da dor no pescoço, se não passar, consulte um clínico geral, descreva exatamente o que sente, e ele deverá lhe encaminhar para o médico que poderá lhe ajudar. É bem possível que as suas queixas não tenham nada a ver com a dosagem do hormônio, exceto a ansiedade se for algo muito diferente do seu jeito normal de ser. Entretanto, muitas pessoas com problemas de tireóide conseguem um equilíbrio emocional muito melhor com o tratamento adequado.

Outra Mônica fez uma cirurgia parcial e não precisa tomar hormônios. O problema dela, depois de sete meses, ainda é com a voz. O otorrino sugeriu outra cirurgia, desta vez nas cordas vocais, mas ela escreve, aliviada e feliz, que foi ver o cirurgião e que este sugeriu que fizesse fono. Vá em frente, moça, mas como já comentei lá em cima, não espere por Inokitas lhe passar o telefone da pessoa que ajudou com a voz dela, pois ela mora bem, bem longe da gente. A Priscila, 1 mês e 15 dias depois da retirada de um módulo, também foi passada para um fono porque sua voz “quase não sai.”

Pronto, vou parar por aqui. Parece que gastei mais tempo inserindo os links aos comentários e artigos, do que respondendo aos comentários. Mas espero que este ajuntamento de pensamentos e interações dos leitores com as minhas respostas possam servir para aumentar o conhecimento de vocês e de encorajamento para aqueles que ainda passam ou passarão por esses procedimentos.

Até a próxima. Betty

331 Comentários a “Pós-Cirurgia de Tireóide (8)”

  1. Sandra disse:

    Gostaria de indicação de cirurgião em São Paulo.

    Muito Obrigada.

  2. betty disse:

    Sandra, eu respondi a você em particular e o e-mail foi devolvido. Se quiser receber as indicações, terá que colocar o e-mail correto. :-) Abs, Betty (ele não é visível aos outros leitores).

  3. cris barreto disse:

    Ola. Fiz a cirurgia há um ano ./Tive câncer. Um tumor papilifero. De um modo geral correu tudo bem’ passado essa fase mais difícil, ganhei peso e sempre fico rouca…mas o que importa e estar bem e saudável.

  4. Raquel Santana disse:

    Olá… fiz tireoidectomia total há exatos 1 mês. Graças a Deus não precisei de dreno, não tive dores fortes. Os formigamentos foram um pco intensos no começo mas meu médico foi extremamente atencioso e cuidadoso comigo. Logo aumentou a dose de cálcio e agora, reduzindo progressivamente tenho sentido melhora. Tive algumas caimbras, mas nada terrível. Só os incomodos naturais pra engolir, parece que repuxa tudo!! Minha única dúvida é quanto a VOZ. Não tive lesão nos nervos da musculatura da voz. Fiz 2 laringoscopias e minhas pregas estão normais, segundo meu cirurgião e meu otorrino, sem danos, porém, quando tento cantar, parece que faço um esforço tremendo e não consigo alcançar notas agudas, minha voz fica trêmula e parece que “muda de rotação”, rs… brinco que parece q fica “esganada”… difícil explicar… meu médico disse q era só repousar q logo melhoraria, q era o inchaço do local e cicatrização… disse q não precisaria de terapia com a fono. Por ser muito recente, estou aguardando… o otorrino marcou pra daqui há alguns dias um exame que avalia toda a musculatura da garganta, ESTROBOSCOPIA… por enquanto to achando “normal” e esperando que melhore… (a propósito, eu canto e faço terapia com fono há muitos anos, é muito difícil ouvir minha voz assim) queria saber se mais alguém passou por isso, e se a voz voltou ao normal… Bjs e boa sorte a todos! =)

  5. Suiane Lanes disse:

    Boa tarde, eu descobri o hipertireoidismo em 2010, há 4 anos faço tratamento, mas o medicamentos não estão resolvendo. Então meu medico achou melhor mudar o tratamento, me dando 2 opções: tratamento com Iodo ou Cirurgia total, mas eu tenho o sonho de ser mãe logo, então ele sugeriu a Cirurgia, mas eu confesso a vcs que estou um pouco temerosa, já que eu nunca na minha vida passei por um procedimento cirúrgico.

  6. Cida Freitas disse:

    Retirei toda a glandula em 2008, e desde então vieram os problemas: corda vocal lesionada, secreção que surge no nada, e crises de falta de ar que parece que vou morrer. Estou investigando o que pode ser, mas no SUS, já viu a demora, estou desde junho de 2013 tentando descobrir a causa. Será que vocês tem conhecimento de algum caso como o meu?
    Obrigada.

  7. Monica disse:

    Comecei sentindo um bolo na garganta e me engasgando, a 1 ano e meio atras. Fiz videolaringoscopia que nao acusou nada talvez por nao ser o exame certo ou por ter sido mal realizado pela medica que foi altamente estupida. Continuei a pesquisar e descobri uma tuberculose, dei atençao a doença, e no meio do tratamento descobri 8 nodulos na tireoide, fiz a biopsia ha 5 dias e estou esperando o resultado. A medica acredita que seja cancer pela forma que o nodulo se apresenta, nao estou com medo, mas estou ansiosa e cansada. Nem acabei o tratamento de 1 doença e vou ter que enfrentar outra. De qualquer forma vou operar pq sinto muita dor e falta de ar. Se tivessem visto logo talvez nao estisse passando por isso.

  8. betty disse:

    Olá, Monica:
    Que pena!
    É muito ruim quando desconfiamos que fomos mal atendidas/avaliadas/cuidadas.
    Por causa do seu e-mail, comecei a pesquisar tuberculose de tireoide – descobri que existe muito pouco escrito sobre o assunto. Parece que é algo muito raro e QUE PODE CAUSAR NÓDULOS. E o que é interessante é que nos casos apresentados estes se desfizeram com o tratamento (mas eram um ou poucos). Dizem também que é muito difícil de diagnosticar.
    Infelizmente os artigos estão em inglês.
    De qualquer jeito, estou passando isto para você para que possa pesquisar mais e ver o que seus médicos (ou algum outro – especialmente um que lida com cabeça e pescoço ou um especialista em tuberculose) sabem de concreto. Isto, antes de passar pela faca. Eu sou apenas uma pessoa que relatou a minha própria cirurgia num blog em 2009, sem treinamento médico, portanto não sei ajudar adequadamente.

    Que Deus a guie e abençoe.
    Abs, Betty

    http://www.hindawi.com/journals/jtr/2011/359864/
    Abstract

    Objective. Tuberculosis of the thyroid gland is a very rare disease. The incidence of extrapulmonary tuberculosis has been showing a progressive increase in the recent years. We present three cases of primary thyroid tuberculosis. Methods. Two cases were diagnosed on the basis of fine-needle aspiration cytology (FNAC), as they presented with thyroid nodule. The third case was diagnosed on histopathology as the patient underwent total thyroidectomy for the left-side nodule which was a follicular lesion on FNAC. Tuberculosis was diagnosed on the other lobe. Results. All three patients were given antituberculous treatment for nine months, and their nodular lesions completely resolved after treatment. Conclusion. Although rare the, thyroid tuberculosis should be kept in mind in the differential diagnosis of thyroid masses, even in patient with no history and symptom of tuberculosis disease elsewhere.
    1. Introduction
    Tuberculosis of thyroid gland is extremely uncommon. The incidence is low even in countries where the prevalence of tuberculosis is high [1]….
    ————————————

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15064539
    Abstract The aim of this article is to collect and to review reference data about thyroid tuberculosis from all-over the world and to analyze urgency and changeability of this problem since 19th century until now. Data show that there are cases of thyroid tuberculosis still occurring in many countries of the world, including highly developed countries. It turned out that the disease can manifest in various ways and that it does not have specific symptoms characteristic only to thyroid tuberculosis. The main method for establishing diagnosis is fine-needle aspiration with subsequent bacterioscopical, bacteriological or biological investigation. Still, for verification of diagnosis, ultrasonography, even computerized tomography and the newest serological diagnostic methods of tuberculosis may be necessary. In conclusion, thyroid tuberculosis should be differentiated from other diseases of thyroid: various types of thyroiditis, Graves disease and nodular goiter. It is particularly vital to distinguish thyroid tuberculosis from thyroid cancer, in attempt to avoid unnecessary thyroid surgery. While treating thyroid tuberculosis, there is a choice of thyroid surgery, antituberculous drugs and repeated puncture drainage procedures. Sometimes these methods can be combined.
    —————————

    http://www.hormones.gr/173/article/article.html
    Establishing the diagnosis of thyroid tuberculosis is in most cases a challenge, since the lesion can often be mistaken for carcinoma, suppurative abscess or hemorrhage into a thyroidcyst. The clinical presentation is variable and usually consists of local symptoms related to enlargement of the gland, while thyroid function is rarely affected.14 Before the application of fine needle aspiration(FNA)as a method of investigating thyroid nodules, all the patients underwent surgical removal of the thyroid lesion (suspected of representing a tumor) and diagnosis was established by demonstration of tubercle bacilli in the biopsy specimens.

  9. Alan disse:

    Cara Betty,

    Minha esposa foi diagnosticada como bethesda 5. Ela não sente nada e vende saúde. A indicação é a cirurgia. Tenho muitas dúvidas. Será realmente necessário?
    Você já leu sobre possíveis exageros:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/56167-tireoide-tirar-ou-nao.shtml

  10. betty disse:

    Olá, Cida: De vez em quando, realmente, as cordas vocais ficam lesionadas. Tenho uma amiga que sofre disto, mas melhorou bastante com a ajuda de um fono-audiologo. Que pena que está demorando tanto para descobrir a causa dos outros sintomas. Tomara que consiga logo encontrar alguem qualificado que se interessa em ajudar. Enquanto isto, continue observando quais os fatores que parecem estar sempre presentes nas horas de crise – calor, frio, humidade, posição, emoção forte, algumas comidas/bebidas…? Pode ajudar a determinar causas e tratamentos. Que Deus a abençoe. Abs, Betty

  11. vilma disse:

    oi betty fiz a cirurgia dia 14.2..graças a Deus foi tdo bem nao fiquei rouca,so tive que voltar para o hospital por causa do calcio,entao fiquei internada mais cinco dias ,mas fora isso ta tdo muito bem o que esta me deixando intrigada e que o medico nao passou nem uma pomada para cicatrizaçao,onde estava o dreno ainda esta aberto ,nao me passou nada para poder fechar logo..gostaria se tiver alguem que sabe o que passar me passe o nome..ah estou aguardadndo p resultado da biopsia ..mas creio que esta tdo nas maos de Deus..grata boa noite

  12. betty disse:

    Olá, Vilma: Cinco dias, heim! Ainda bem que voltou ao hospital!
    Também estranhei a falta de passar uma pomada.
    No meu caso passaram um creme chamado Drenison, que não creio ser antibiótico. (Tive que vasculhar os posts anteriores e encontrei no 4. Nem me lembrava mais. já são quase cinco anos).
    Fica no http://www.cronicasdocotidiano.com/?p=999 .
    Se não sarar logo, e especialmente se estiver inflamando, volte ao médico, ou um dermatologista, ou um clínico…
    Torcendo para que o resultado da biopsia seja negativo.
    Abs, Betty

  13. José Eduardo Sant'Anna da Silva Rosa disse:

    Olá pessoal! Fiz minha cirurgia em 30/01/14, foi retirada total, mas só da tireoide com um nódulo benigno de 4,5cm. Não tive problema algum, apesar dos meus 61 anos, quando acordei, ainda na sala cirúrgica, perguntei para a enfermeira se tinha sido entubado… a voz saiu perfeita que ate ela se espantou, voltei para o quarto brincando com os enfermeiros. Comi e bebi neste mesmo dia sem dor, aliás não senti dor de espécie nenhuma. Minha cicatrização foi perfeita e muitíssimo rápida, apesar de minha diabetes e hipertensão. Fui pra casa e três dias depois fui internado novamente com baixa de cálcio. Fiquei mais três dias no hospital tomando cálcio na veia. Tirei os pontos cinco dias após a cirurgia, pois a cicatrização estava perfeita. Concluindo, não tive problema algum com a cirurgia em si, porém amargo até hoje com as dormências, câimbras, sempre nas extremidades e um pouco de tonteira. Mas o que mais me INCOMODA É UM BOLO que sinto no lugar da cirurgia, que disfarça bastante quando eu como; piora à noite e quando levanto a cabeça ou viro para os lados e engasgo demais, até com a ingestão dos comprimidos. Hoje já fazem 50 dias da cirurgia e este BOLO incomoda mais e mais. Não sou do tipo “Mal agradecido”, ao contrário, agradeço a Deus por toda esta recuperação maravilhosa, mesmo assim, gostaria de saber se alguém mais já teve este sintoma que chega a ser enervante.

  14. vitoria disse:

    Recebi o diagnóstico há uma semana: cancer papilífero da tireoide. ainda não sei qual procedimento o médico vai tomar. Tenho muitos medos e ler o depoimento de todos voces me acalma e me conforta.

  15. betty disse:

    Olá, Vitória:
    Realmente, Vitória, a palavra câncer nos assusta. Entretanto, parece-me que é um mal “light” comparado a muitos outros tipos, com grandes chances para plena recuperação. E o tratamento é muito mais curto. Que Deus lhe dê forças para encarar e superar, e oportunidades para conhecer, adorar e servi-lo na terra por muitos anos. Abs, Betty

  16. betty disse:

    Olá, José Eduardo. Percebo que nunca respondi a seu comentário. É sempre bom quando encaramos os problemas da perspectiva de agradecimento pelas bênçaos. O que você fez aqui. Espero que nas semanas que se passaram desde que você escreveu, você já pode voltar ao médico para ser diagnosticado e tratado com relação às dificuldades enumeradas aqui. Penso que a sua re-internação e continuadas dormências e câimbras tem a ver com as paratireoides. E é bom verificar se foram danificadas ou parcialmente retiradas. Pode ser que o “bolo” esteja relacionado com isto também, mas não sei. Você terá que passar por alguns exames que oferecem uma imagem da situação lá dentro. Continue consultando os especialistas, até que resolvam ou expliquem o que está acontecendo. Que Deus o abençoe. Abs, Betty

  17. Marcia disse:

    Boa tarde!

    Fiz cirurgia de tireóide em 13 de dezembro de 2013. Foi constatado carcinoma. Fiz a iodoterapia e hoje sinto uma dores no pescoço e aquela sensação de estar sendo enforcada. Isso é normal? O que devo fazer?

  18. betty disse:

    Olá, Marcia:
    Não sei se você acaba de sair da iodoterapia ou se já faz algumas semanas ou meses. Eu não tive câncer, portanto não tenho experiência para compartilhar. Mas sei que há sequelas temporárias que devem ter compartilhado com você antes do tratamento (ver o link abaixo) e tenho falado com pessoas que sentiram o que está listado. Se as dores e a sensação não passarem, sugiro que volte ao seu médico, ou vá para um endocrinologista, ou otorrino ou especialista em cabeça e pescoço. Espero que logo se sinta melhor! Que Deus a abençoe,
    Abs, Betty

    http://www.oncoguia.org.br/conteudo/iodoterapia-para-o-cancer-de-tireoide/1887/236/
    Riscos e Efeitos Colaterais

    Dependendo da dose de iodo radioativo administrada, pode ser necessária a internação do paciente, geralmente em um quarto especial para impedir que outras pessoas sejam expostas à radiação.

    Os efeitos colaterais a curto prazo podem incluir:

    Sensibilidade no pescoço.
    Náuseas e dores de estômago.
    Inchaço e sensibilidade nas glândulas salivares.
    Boca seca.
    Alterações no paladar.
    Dor.

  19. anna dora disse:

    Fiz a cirurgia dia 14/05/14 foi tudo bem e não tive nenhum sintoma comum nesses casos, porém tusso bastante e espirro algumas vezes ao dia.È normal?

  20. betty disse:

    Olá, Anna. Faz muito pouco tempo ainda desde a cirurgia. Se não resolver a tosse com pastilhas e se os espirros incomodarem, procure um contato com seu médico. Ou com algum amigo que trabalha com enfermagem ou medicina. Pode ser, também, que pegou um resfriado… Que Deus a abençoe. Abs, Betty

  21. celia louvain disse:

    faz um mes que fiz cirurgia de hiper tireoidismo de grave e estou ótima,porém rouca…espero que minha voz melhore,pq é horrível…faço força pra falar e acabo me cansando.bjus célia louvain

  22. betty disse:

    Olá, Celia: No meu caso, levei uns três meses para a voz normalizar. Mas eu não cansava. Já que você estava lutando com os efeitos do hipertireoidismo, imagino que você esteja tendo o acompanhamento de um endocrinologista, portanto consulte este especialista sobre o que poderá ser feito para aliviar. Pode ser que ele/ela encaminhe para fonoterapia.
    Espero que logo melhore.
    Abs, Betty

  23. Juliana Bezerra disse:

    Betty, olá, acabei de escrever um post, falando sobre minha cirurgia, fiz no dia 13/05/2014, mas me preocupei ao ler que meu médico não passou NADA para eu colocar sobre o corte. Sei que em meu último curativo no hospital a enfermeira disse que estava perfeito, sem nenhum sangramento mais, (o local do dreno fechou rapidamente), me recomendou limpar uma vez ao dia com álcool 70 e proteger com gases, é o que eu tenho feito.
    Tenho o celular do médico e quase todos os dias tiro dúvidas com ele. Amanhã perguntarei sobre Drenison.

    Anna Dora, também operei recentemente e minha garganta está muito machucada o que provoca tosses, principalmente de madrugada, tomo bastante água. Também espirro e sinto uma dor imensa. Mas, acredito que seja normal, porém no meu caso, devido ao edema de glote que tive após cirurgia, fui entubada duas vezes, destruindo minha gargantinha.

    Enfim, adorei esse espaço.

    Bjo em todos.

  24. Valéria Cristiana Bitencurte disse:

    Vou compartilhar minha experiência com vocês.
    Fiz a cirurgia de tireoidectomia total no dia 28/03/2014 devido estar com quadro de carcinoma papilífero, ainda no hospital minha taxa de cálcio caiu muito conforme exames diários e tive hipocalcemia tendo que ficar 7 dias internada no pós operatório apresentando sintomas de cãimbras e um pouco de formigamento, tive também um pouco de falta de ar devido eles terem me entubado acho que machucou minha garganta e sentia uma pigarra na garganta que me sufocava, quanto à cicatriz da cirurgia posso dizer que ficou perfeita, ficou bem na linha do pescoço e nem aparece o corte só estou com uma cicatriz hipertrófica no buraco onde ficou o dreno que cresceu nos últimos 15 dias. Quanto à voz ainda não voltou ao normal, ainda continua baixa e rouca, estou indo nas sessões de fono que no primeiro mês foi acompanhamento semanal e agora ela estendeu para 3 semanas. Para finalizar acabei de me internar no dia 11/06/2014 e tomei a dose do iodo de 150mci, não fiquei sozinha no quarto fiquei com uma outra pessoa que também fez o tratamento, foi muito tranquilo e não tive sintomas durante a internação, o médico pediu para que em 5 dias tomássemos os cuidados da Radiação com a família e por enquanto está correndo tudo bem, em casa tive inchaço e sensibilidade nas glândulas salivares, boca seca, liguei para a médica que me orientou a tomar Cataflan 50 mg e a ingerir muito liquido ácido, também vi na internet o pessoal fazendo gargarejo com limão e água por isso fiz e senti um grande resultado, na terça 17/06/2014 vou fazer o exame da cintilografia e tenho fé em Deus que terei ótimos Resultados.
    Um grande abraço à todos.

  25. betty disse:

    É interessante, Valéria, que a gente se preocupa tanto com o corte da cirurgia e, às vezes, o buraquinho do dreno acaba sendo mais feio do que o outro! Você é a primeira pessoa que fala que ficou com mais alguém durante a iodoterapia. Que boa ideia, já que a solidão é algo que muitos citam como parte difícil. O problema com a salivação é frequente, mas dizem que passa. Parece que mexeram bastante com suas para-tireoides, para causar tanto distúrbio e levar a uma internação prolongada. Você fez mesmo a cintolografia hoje, dia de jogo do Brasil! Esperamos com você que os resultados sejam os desejados!

  26. Paulina disse:

    QUEM FEZ CIRURGIA DE TIREÓIDE DE CÉLULAS DE HURTHLE?

  27. betty disse:

    Olá, Paulina (Ze Paulo?): Não tenho experiência com este tipo de problema na tireoide e não encontrei algo bem escrito em portugues. Achei, entretanto, o conteúdo do link abaixo, bastante detalhado, em ingles, fornecido por um dos centros mais reconhecidos para o tratamento de câncer nos Estados, o Mayo Clinic. Tem que clicar nos links no lado direito de cada página. Espero que ajude. A melhor fonte de informações, entretanto, deverá ser seu médico ou um especialista em câncer, baseando-se em seus exames e histórico. Abs, Betty
    http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/hurthle-cell-cancer/basics/definition/con-20025920

  28. Valéria Cristiana Duarte Bitencurte disse:

    Boa noite,
    Pois é Betty, voltei para falar do meu exame que fiz no dia da copa mesmo. Ontem soube o resultado e graças a Deus só deu sinal da doença no local da tireóide mesmo e o médico disse que isto era o esperado para o exame.
    Agora tomando os remédios direitinho a tendência é melhorar cada dia mais.
    Quanto à voz ainda não voltou ao normal, os médicos dizem que a minha corda vocal ainda está parcialmente paralisada, por isso ainda falo com a voz rouca e mais baixo que o habitual, tenho que continuar o tratamento com a fonoaudióloga.
    Mais isso é o de menos, acho que o tempo vai se encarregando de ajeitar as coisas, tenho fé em Deus que vai dar tudo certo.
    Um grande abraço à todos.

  29. Daiany Costa disse:

    Bom dia, pessoal…

    O foco do meu imenso relato a seguir, como comentário é: me emocionei ao ler o comentário da Raquel Santana…. Li a todos, mas infelizmente, até então, ninguém havia passado exatamente pelo que ela passou. Ela disse:

    9 de janeiro de 2014 às 7:26 pm
    “Olá… fiz tireoidectomia total há exatos 1 mês. Graças a Deus não precisei de dreno, não tive dores fortes. Os formigamentos foram um pco intensos no começo mas meu médico foi extremamente atencioso e cuidadoso comigo. Logo aumentou a dose de cálcio e agora, reduzindo progressivamente tenho sentido melhora. Tive algumas caimbras, mas nada terrível. Só os incomodos naturais pra engolir, parece que repuxa tudo!! Minha única dúvida é quanto a VOZ. Não tive lesão nos nervos da musculatura da voz. Fiz 2 laringoscopias e minhas pregas estão normais, segundo meu cirurgião e meu otorrino, sem danos, porém, quando tento cantar, parece que faço um esforço tremendo e não consigo alcançar notas agudas, minha voz fica trêmula e parece que “muda de rotação”, rs… brinco que parece q fica “esganada”… difícil explicar… meu médico disse q era só repousar q logo melhoraria, q era o inchaço do local e cicatrização… disse q não precisaria de terapia com a fono. Por ser muito recente, estou aguardando… o otorrino marcou pra daqui há alguns dias um exame que avalia toda a musculatura da garganta, ESTROBOSCOPIA… por enquanto to achando “normal” e esperando que melhore… (a propósito, eu canto e faço terapia com fono há muitos anos, é muito difícil ouvir minha voz assim) queria saber se mais alguém passou por isso, e se a voz voltou ao normal… Bjs e boa sorte a todos! =)”

    Raquel, pessoal… Seguinte…
    Fiz minha cirurgia de Tireoidectomia total, no dia 5 de Julho. (Diagnosticada em Abril, com Câncer em estágio IV de tireóide com a punção, e confirmado com a biópsia por congelamento, pós cirurgia como Carcinoma Papilífero I, em 11 de julho)
    Sou cantora profissional há 13 anos… Cheguei neste Blog maravilhoso por acaso… Preocupada com uma informação para ingerir o Synthoid (tomo o de 100): com quantas horas em jejum precisaria estar para ingerí – lo. (Aqui, encontrei a informação de que 4 horas sem comer, eram aconselháveis, procurar tomar sempre no mesmo horário, com bastante água (200ml)… Ok… De quebra, informei – me que, para quem tem problemas estomacais, não é aconselhável ingerir o “Omeprazol” junto com o Synthoid, deve haver duas horas de diferença, e procurar evitar ingerir nozes também, que não auxiliam na total absorção do hormônio, neste mesmo período de duas horas… (procuro tomar o Synthroid e dormir, mais tarde tomo café)
    Quanto à minha cirurgia, não precisei de dreno, logo no dia seguinte fiz reposição com Cálcio em casa mesmo, e o Synthroid de 100, receitados pelo meu cirurgião, e suportei bem a falta de hormônio por um Mês (parei com o Synthroid no dia 06 de Agosto, para a minha preparação da Radiodoterapia…) Senti apenas paresias nas mãos e pernas… Uma fraqueza fora do comum que não me permitia movê – los por alguns minutos… (o incômodo maior foi nas pernas). A dieta para o procedimento, pobre de sódio e iodo, iniciei no dia 25 de Agosto. Só senti fortemente os sintomas (dores de cabeça, no corpo e muita fraqueza na semana passada, dia 3). Realizei a iodo no dia 9 (esta semana)… Sinceramente, não foi muito legal pra mim, pois tenho problemas psicológicos pré – cirúrgicos (pelo susto que o câncer em si causou, as mudanças na minha rotina, na minha vida…) e pós – cirúrgicos, em função de estar com dificuldades no canto, a incerteza e medo que isso causa… A dor é muito grande… Fisicamente, já tenho problemas no estômago, senti muito incômodo, tomei Omeprazol e Dramin. E não bebo muita água, (no máximo 1 litro por dia, mal exemplo para uma cantora, e isso que me prejudicou um pouco, pois ter que beber tanta água nos primeiros dias (6 litros no primeiro e segundo dias) me deixou bastante enjoada.. Minha PCi será no dia 16 de Setembro… Continuo com a dieta, mas voltei a tomar o Synthoid…

    Estou fazendo tratamento há um Mês com uma Fonoaudióloga maravilhosa aqui de São Paulo. Estou entrando no 4º dia de isolamento pós iodoterapia… E não me envergonho em dizer que comecei tratamento com Psiquiatra e remédios que o mesmo me receitou. Estou muito abalada com a questão da minha voz. Não tenho mais os agudos, minha Fono indicou um exame chamado ELETROMIMIOGRAFIA, super ESPECÍFICO para identificar parecia total ou parcial de um músculo chamado CRICOTIREOIDEO. Eu ainda não consegui realiza – lo, pois o médico SUPER ESPECIALIZADO e de confiança para fazer este exame aqui no BRASIL, ainda não está com agenda aberta para realização deste exame no momento. Meu Otorrino (super de confiança, inclusive QUEM ME AJUDOU A DESCOBRIR O CÂNCER – me salvou inúmeras vezes com a voz, mas essa do câncer devo MUITO A ELE) fez exames específicos como Estrobo, fez a Naso, verificou detalhadamente e filmou os movimentos das cordas vocais, movimentos musculares e não desconfia de paralisia total. Inclusive, este meu otorrino quem me recomendou o Cirurgião de Cabeça e Pescoço que realizou a minha Tireoidectomia (foi professor do meu Otorrino na Universidade). Porém, ele disse que este exame não tem 100% DE EFICÁCIA na maioria das vezes para CONCLUIR A PARESIA OU PARALISIA TOTAL. Este músculo permanentemente paralisado ou provisoriamente, em função de ocorrer CONTATO durante a remoção total da tireóide, nos FAZ FICAR SEM EMITIR OS AGUDOS, PRINCIPALMENTE, nós mulheres… Em função da minha parte emocional estar abalada, minha Fono PRECISA DA MINHA AUTOCONFIANÇA E FÉ NO TRATAMENTO PARA A BUSCA DA CURA TOTAL, mas não me ilude. Sempre foi sincera desde o primeiro dia, caso esta paralisação total seja confirmada, terei que REEDUCAR MINHA VOZ, mas ainda assim, terei 50% da capacidade que possuía antes. Mas preciso CUIDAR DA MINHA PARTE EMOCIONAL URGENTEMENTE para que eu siga o tratamento e obtenha a eficácia necessária, pois fiquei com a Laringe alta (que causa sensação de sufocamento e dificuldade na fala) entre outros problemas que precisam ser corrigidos, além da “lesão” do CRICOTIREOIDEO. Ela diz que me apoia a fazer o exame. Meu otorrino, no momento, não recomenda…

    Sei que cada caso é um caso… Mas se alguém aqui passou por experiência parecida, ou está passando…. Por favor…Entre em contato… Vamos nos ajudar, pois, além de todo o sofrimento que esta doença causa, (mesmo sendo um câncer linear e mais “tranquilo”, mexe com todos nós…) temos a parte VOCAL (no meu caso é meu instrumento de trabalho HÁ ANOS…) para nos preocupar também…

    Existem momentos em que nos sentimos desolados, sozinhos, desorientados, mas se tem algo que aprendi com minha Fono, (QUE TAMBÉM TEVE CÂNCER, de outro tipo, com linfonodos perdidos, inclusive, fez inúmeras sessões de Químio, tem uma familiaridade grande com esta doença) É UMA PESSOA EXTREMANETE HUMANA E COMPETENTE NO EXERCÍCIO DE SUA PROFISSÃO), com meus amigos e minha família, e principalmente, em grupos de apoio do Face (AMIGAS DA TIREÓIDE) e Blogs como este é: pessoal, NÃO ESTAMOS SOZINHOS. PRECISAMOS BUSCAR APOIO E SEMPRE TER FÉ… NÃO NOS SILENCIAR OU ENVERGONHAR DIANTE DE NOSSA DOR.

    Raquel, se vc estiver lendo, por favor, nos conte como está sua saúde neste momento e como está se recuperando do seu trato vocal… E desejo à todos aqui MUITA SAÚDE, MUITA FÉ, FORÇA E GARRA NESTE MOMENTO DE NOSSAS VIDAS. Que tiremos proveito de tudo que estamos passando ou passamos, para o BEM. Para o nosso e do próximo. Deus está ao nosso lado e não nos desampara nunca. Costumo dizer que ele tem aqui na Terra, os Seus “Cuidadores”, para que estejamos sempre com a fé reavivada e que não nos percamos acerca do medo e da dor… Sei que aqui, eles estão, estão entre meus amigos e família… Apenas peça e Ele lhe atenderá… Confortará… E dará forças… Um beijo carinhoso.

    Daiany Costa.

  30. betty disse:

    Olá, Daiany:
    No momento, estou no hospital com minha sogra de 91 anos – aproveitando o tempo “livre” para responder aos comentários do último mes sobre meus posts de 2009 a respeito da minha cirurgia de tireoide. O seu acaba de entrar e agradeço a participação. Vou tentar encaminhar para o e-mail de Raquel. Pode ser que ela responda. O que já falei para várias pessoas é que a minha voz demorou uns TRÊS meses para voltar. Era inteiramente irreconhecível no início. Agora posso falar com pessoas da minha juventude e elas me reconhecem por telefone imediatamente (já sou oficialmente “idosa”). Quando o meu cirurgião tentou me acalmar no começo dizendo para eu esperar com mais exames e tratamentos e dar tempo ao tempo, eu só obedeci porque iria me custar tempo, deslocamentos e dinheiro. E, para minha surpresa, ele teve razão. Não posso dizer que a sua situação vai ser igual, mas vá com calma, já fazendo os exercícios, poupando os excessos, etc. Deus fez o nosso corpo de modo maravilhoso e, às vezes, as complexas máquinas das nossas células conseguem fazer mais por conta própria do que fariam as ajudas externas. Entretanto, podemos dar graças a Ele pelas coisas que ele permitiu que os seres humanos descobrissem e desenvolvessem para recuparar partes danificadas. Que Deus a abençoe. Abs, Betty

  31. nadia disse:

    gente e muito bom compartilhar o que sentimos , no nosso caso um problema de tiroide que esta afetando muitas mulheres no brasil. o meu caso é que. fiz tireoidectomia a 3 anos e como eu era cantora da igreja. minha voz aguda, agora tem dias que me sinto muito mau por não poder mais nem falar com minha voz propria. a que deus me deu, contudo agradeco muito a deus por ter sido com vida. pois sou muito fragil pra cirurgia. mas deus é maior na minha vida. as vezes penso que o medico que me operou, tocou nas minhas paratireiodes. o que faco.

Deixe o seu comentário

Crônicas do Cotidiano > Pós-Cirurgia de Tireóide (8)